terça-feira, 4 de agosto de 2009

Mensagem para Dono

De: Timon
Para: Dono

Os dentasticks são muito bonitos e tudo e tudo mas a verdade é que já me lavavas os dentes com uma maior frequência do que a média de 3x/ano, não achas?

Andas a falhar. Ai andas andas...

Cordialmente,
Timon

Nota:
Segundo as regras, esta função é da exclusiva responsabilidade do DONO.


A mensagem exposta no espaço acima foi da exclusiva responsabilidade do remetente. A detentora deste blog recusa qualquer tipo de responsabilidade pelo seu conteúdo.

7 comentários:

Carlos Oliveira disse...

Eu até lavava mais vezes se ele nao fugisse como uma enguia!

entremares disse...

Com um salto, esquivou-se mesmo a tempo.
- Idiota - pensou - condutor de domingo, nem vê as passadeiras...
E era bem verdade; atravessar a rua numa passadeira já não era tão seguro como antes... nem aos dias de semana, nem aos fins de semana. Também era verdade que muitas das passadeiras só o eram de nome, porque as listinhas brancas já tinham mudado de cor há muito tempo - branco sujo, branco muito sujo, cinzento e depois... preto. Ou seja, zero, nada de passadeira.
Continuou tranquilamente ao longo do passeio, quase vazio de transeuntes. Aos sábados de manhã, o panorama era sempre o mesmo. Antes das nove, as ruas permaneciam desertas, o comércio fechado, o estacionamento dos taxis reduzido a um único exemplar sem clientes. O unico movimento girava em torno da padaria.
O cheiro a pão quente transbordava porta fora e obrigava a um desvio estratégico; ou entrar... ou fugir rápidamente.
Ao fundo da rua, nova esquina, nova passadeira, desta vez vazia.
A pequena loja da sra Marquita abria as portas nesse mesmo momento. A proprietária, teimosamente a lutar contra a idade da reforma, lá ia colocando os caixotes com a fruta e os legumes, no exterior, para atrair a clientela. A seguir foram as batatas e as cebolas e numa pequena mesa, ainda se conseguiu arranjar espaço para uns frascos com calda de pimentão - uma delicia caseira de produção própria que conquistara clientes fiéis ao longo dos anos. Mesmo na porta ao lado, o sr Manuel subia os estores metálicos da porta do Café Central.
Desviou-se a tempo de levar um valente encontrão. O sr Manuel, mesmo com os óculos, era um míope incorrigivel e não valia a pena medir forças no embate - o sr Manuel, com aquele peso, levava sempre a vitória assegurada.
O sol radioso convidava ao passeio matinal.
Em passo de corrida miudinho, duas raparigas ultrapassaram-no, vestidas a rigor para o jogging diário. Dirigiam-se, tal como ele, para o jardim - era habitual vê-las por lá, correndo por entre os obstáculos da pista de manutenção.
Não tinha pressa. Se havia coisas que lhe davam especial prazer, percorrer a distância da praça principal até ao jardim - ainda por cima, sempre a descer - era uma delas, principalmente aquela hora da manhã, com céu azul e um sol que, apesar de Fevereiro, já aquecia.
- O caminho da volta é sempre pior - lembrou-se.
Cruzou-se com o homem do quiosque das revistas, que àquela hora, levava sempre o seu cão a passear - mas nunca ao jardim. O cão, um belo pastor alemão com um pelo negro brilhante, ainda lhe lançou um ar desconfiado, mas seguiu tranquilamente o seu caminho.
Melhor assim. Nunca simpatizara em particular com os pastores alemães.
Uns minutos, três esquinas e muitas passadeiras depois, chegou aos portões do jardim.
Dois velhotes, as duas raparigas do jogging e um gato vadio pareciam ser as unicas almas vivas por ali. - Os pássaros da gaiola e os patos brancos do lago não se incluiam nesta contagem.
Deteve-se, observando com atenção tudo o que o rodeava.
Uma vontade súbita fê-lo recordar que existiam certas necessidades fisiológicas básicas que necessitavam de ser satisfeitas.
Olhou novamente.
Vagarosamente, aproximou-se de uma árvore já bastante velha, mesmo junto do lago dos patos.
Com um equilibrio resultante de muitos anos de prática, levantou a pata e regou a árvore.
Espreitou para confirmar se o guarda do parque não estaria por ali perto, a vigiar.
Não. A costa estava livre.
Era mais forte que ele.
A tentação do perigo.
Sorrateiramente, dirigiu-se até ao poste de madeira que, bem junto da entrada do parque, sustentava o aviso de que " Não são permitidos animais sem coleira "
Ninguém à vista.
Desta vez, primeiro a pata esquerda. Mais um esguincho . Depois, a pata direita. Novo esguincho.
- Missão cumprida... podemos voltar ao aconchego do lar... o dono já deve estar a estranhar a ausência...

Pipa disse...

Eh pah, não percebi... quem é que lavava mais vezes os dentes? O Timon ou o dono??

LOL

Van Dog disse...

:D
Lindo!

claudia.filipa disse...

Eu conheço alguns donos assim ;)

Spike disse...

Olá amigão
Passei para dar um olá. Temos estado um pouco ausentes, mas a vida assim o tem obrigado.
Mas não te esqueças de continuar a passar no meu blogue, tá?
Bj

Rute disse...

eheh, nós donos somos terríveis..